terça-feira, novembro 25, 2014

[Álbum] Não Pare Pra Pensar (Pato Fu)


Em 22 anos de carreira, o Pato Fu manteve sua especialidade no paradoxo musical que une o pop com o rock alternativo. Na real, sempre foi difícil rotulá-los - tarefa que se tornou ainda mais complicada depois que o grupo "invadiu" o gênero infantil com o seu penúltimo álbum, "Música de Brinquedo" (2010). E agora, eis que o quinteto mineiro retorna à "normalidade esquisita" de sempre, através do seu novo álbum "Não Pare Pra Pensar" (2014). Não entendeu? Calma aí então...

O Pato Fu costuma usar e abusar do fator "caixinha de surpresas", em que a ideia é fazer cada música impressionar o ouvinte com o seu estilo, produção e nuances inusitadas. No mediano álbum "Daqui Pro Futuro", de 2007 (anterior ao já citado "Música de Brinquedo"), o grupo optou por uma sonoridade mais homogênea e focada em canções mais suaves. Já no novo trabalho em questão, a tal homogeneidade musical foi puxada para o outro lado: o das músicas pra dançar...

Logo na primeira faixa - e single - "Cego para as Cores", podemos notar uma boa mistura de pop com rock, além de uma letra enigmática que faz com que o Pato Fu mantenha sua integridade alternativa no cenário comercial. Já "Crédito ou Débito" é guiada pelo seu riff de guitarra levemente 'blueseiro' em cima de um ritmo agitado e melancólico ao mesmo tempo, o que torna a música adoravelmente surreal.

"Eu Era Feliz" e "Um Dia do Seu Sol" possuem uma boa fusão do típico vocal doce da Fernanda Takai com um ritmo dançante, o que as transforma em perfeitas candidatas a futuros singles do disco. Já o cover inusitado da vez é "Mesmo Que Seja Eu", de Erasmo e Roberto Carlos. E para não dizer que as baladas foram totalmente esquecidas, temos a ótima "Eu Ando Tendo Sorte", uma canção com convenções sonoras elegantes e uma letra bem sacada.

O rock "puro" marca presença na potência sonora de "Ninguém Mexe Com o Diabo", e na contraditória mensagem pró-maturidade contida nas letras da energética "You Have To Outgrow Rock'n Roll". Ambas as faixas trazem o guitarrista/compositor Jonh Ulhoa nos vocais, como ocorria em boa parte das antigas músicas dos "patos"...

Pontos fracos? Digamos apenas que, com exceção dos detalhes sempre interessantes do baixista Ricardo Koctus, temos pouco destaque do tecladista Lulu Camargo, e do novo baterista Glauco Mendes - substituto do virtuoso Xande Tamietti, o cara que deu um brilho extra a quase tudo que o Pato Fu fez no passado.

Após toda essa viagem, podemos chegar à conclusão de que, ao contrário do que manda a recomendação irônica (proposital ou não, tanto faz) do seu título, "Não Pare Pra Pensar" é um álbum que ativa o nosso cérebro musical de uma forma intrigante e divertida, de acordo com a lei na terra dos "patos". E que a redescoberta da sonoridade roqueira por parte de Fernanda e Jonh nos traga álbuns tão interessantes quanto esse no futuro. Aguardemos...

Nota: 8

Confira o álbum completo ou suas faixas de destaque:


Músicas:
1. Cego para as Cores
2. Crédito ou Débito
3. Ninguém Mexe Com o Diabo
4. Não Pare Pra Pensar
5. Eu Era Feliz
6. Um Dia do Seu Sol
7. You Have To Outgrow Rock'n Roll
8. Siga Mesmo no Escuro
9. Pra Qualquer Bicho
10. Mesmo Que Seja Eu
11. Eu Ando Tendo Sorte

Nenhum comentário: