segunda-feira, fevereiro 23, 2009

From Hell To Texas (Nashville Pussy)

From Hell To Texas (Nashville Pussy)
Por Fábio Cavalcanti

Guitarras sujas, letras divertidas e irreverentes, vocal agressivo e bastante "arranhado", e influências que captam o melhor do rock 'n' roll, punk rock, blues rock e hard rock. Junte tudo isso e você terá a banda estadunidense Nashville Pussy. Então, acrescente o melhor do bom e velho southern rock norte-americano, diminua a dose de peso e sujeira, e você terá "From Hell To Texas" (2009), o mais novo álbum da banda em questão, que agora contabiliza 5 álbuns em pouco mais de 10 anos de carreira.

Menos peso? Menos sujeira? Aposto que você, caro leitor, deve estar pensando algo do tipo "guarde essa porcaria pra você, pois eu estou fora!". Tal preconceito é compreensível, visto que uma diminuição no "teor rocker" de qualquer banda pode significar um caminho sem volta, rumo a trabalhos que trazem o "melhor" do rock enlatado, "careta" e sem alma. Mas, acho que podemos confiar nesse quarteto, que certamente nunca irá largar o bom e velho rock 'n' roll.

De qualquer forma, mesmo que o ouvinte tenha em mãos as devidas informações sobre a sonoridade de "From Hell To Texas", é impossível não estranhar o tom mais "contido" desde novo trabalho em sua primeira audição. A faixa de abertura, "Speed Machine", traduz bem o espírito de um álbum que contém músicas com bastante "peso natural", mas entrega uma certa "leveza" em seu produto final.

Na sequência, dá-lhe mais rocks inspirados e cativantes: "From Hell to Texas", "Drunk Driving Man", "I'm So High", "Ain't Your Business", "Dead Men Can't Get Drunk", "Late Great USA", "Pray For The Devil", e "Why Why Why". As novas músicas trazem influências que vão de Ted Nugent a um Motörhead um pouco menos "turbinado" dessa vez... mas não menos interessante!

À medida que o ouvinte vai se acostumando com a "nova" sonoridade do Nashville Pussy, é possível notar também certas sutilezas do blues rock e do southern rock, dessa vez mais presentes do que nunca no som da banda. As músicas mais voltadas a tais vertentes são as excelentes "Lazy Jesus", "Stone Cold Down" e "Give Me A Hit Before I Go".

O Nashville Pussy certamente não esqueceu de onde veio, e isso está claro em "From Hell To Texas". Porém, o ouvinte precisa deixar certos preconceitos de lado e confiar no instinto musical da banda. O importante é que o vocalista Blaine Cartwright continua com seu vocal nervoso, a guitarrista Ruyter Suys traz novos riffs contagiantes, e a ideologia do quarteto continua viva e forte. Então, coloque o som no talo, pegue sua "air guitar", e por fim grite: "ROCK!!!".

Nota: 8

Músicas:
1. Speed Machine
2. From Hell to Texas
3. Drunk Driving Man
4. Lazy Jesus
5. I'm So High
6. Ain't you business
7. Dead Men Can't Get Drunk
8. Late great USA
9. Pray For The Devil
10. Why Why Why
11. Stone Cold Down
12. Give Me A Hit Before I Go

2 comentários:

Rafael Kuvasney disse...

é o álbum mais southern deles. Não é o melhor, mas é muito bom também. Acho que eles não precisam provar muita coisa depois dos 4 primeiros albuns. Eu recomendo fortemente!

Stoned_Louis disse...

fala Fábio, excelente resenha. Na verdade, a moderação que se percebe na sonoridade da banda não chega a ser alguma tendência ao mainstream rock e nem a perda de suas origens, muito pelo contrário, é sinal de maturidade. Acredito que eles estão sabendo dosar melhor peso com um pouco de virtuose, assim como cada vez mais a banda vai deixando de lado aquele aspecto garageiro e amador característicos de seus primeiros álbuns. Não que sejam ruins, mas não traziam tanto diferencial à banda.